Taxidermia_12

Antes que você pense que isso é alguma espécie de doença contagiosa que tá se espalhando pela decoração, vou acionar nossa querida Wikipedia: Taxidermia ou taxiodermia (termo grego que significa “dar forma à pele“) é a arte de montar ou reproduzir animais para exibição ou estudo. É a técnica de preservação da forma da pele, planos e tamanho dos animais .  Vamo combinar que isso tudo é bem mórbido né? Nem rola de ficar com a cabeça de um bicho morto pendurado na parede.

Felizmente a taxidermia  voltou com tudo a fazer parte da decoração com releituras bem legais. Cabeças de alce, rinoceronte, cavalos, etc. aparecem em composições clássicas, modernas, hipsters, cafonas (porque não?) etc. Por isso, separei várias imagens pra te inspirar. Os materiais são super variados: pelúcia, madeira, gesso, papel, tecido. Cabeça de todos os sabores. Saca só:

Taxidermia_1 Taxidermia_2 Taxidermia_3

Além de decorar, ainda tem vários projetos pra você dar mais uma utilidade pra cabeça dos bichim. Cabideiro é uma boa. Eu mesmo já ensinei a fazer uma AQUI NO BLOG. Pra inspirar, separei mais alguns:

Taxidermia_4

E se engana quem pensa que isso só funciona em decoração pra marmanjo. Olha só essas idéias pros cantos dos pimpolhos:

Taxidermia_5 Taxidermia_6

E pra todo mundo ficar feliz e poder ter sua personal cabeça de alce na parede, descolei um passo a passo simplificado. Dá pra fazer com papel, madeira, pvc e o que mais você quiser.

Taxidermia_7

É só baixar o molde AQUI e seguir o passo a passo abaixo:

Taxidermia_9Taxidermia_10

Mas se você nasceu com 2 mãos esquerdas e nunca se deu bem nem com tesoura sem ponta, cola lá na loja do blog. Na HC Store tem uma Cabeça de Alce em MDF super bacana. São 3 cores diferentes que, com certeza, vão combinar com algo aí na sua casa.

Taxidermia_11

Diz aí se não deu vontade de montar praticamente um zoológico em casa hein? Já viu idéias diferentes dessas e quer compartilhar? Só usar os comentários do blog! Aliás, comentários deixam blogueiros felizes e motivados. #ficadica

Fonte: 1, 2